Este site utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência, de acordo com as nossas Políticas de Privacidade e ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

BUSCAR MATÉRIAS
BUSCAR MATÉRIAS
 Qualquer cidadão pode realizar uma prisão em flagrante - Portal Cordero Virtual

Qualquer cidadão pode realizar uma prisão em flagrante

Especialistas comentam um fato ainda pouco conhecido: qualquer pessoa pode dar voz de prisão a quem estiver cometendo um delito

18/05/2022 09:13:09
Qualquer cidadão pode realizar uma prisão em flagrante
Qualquer cidadão pode realizar uma prisão em flagrante
Na semana passada, mais um crime de racismo chocou o Brasil, desta vez vindo de Taguatinga, DF. A vítima -- o empresário Paulo Vitor Silva Figueiredo, de 22 anos, dono de um quiosque que vende açaí -- gravou as ofensas racistas feitas por uma cliente. Na sequência, a mulher foi embora sem que algo a impedisse -- e muitos comentaram que teria sido oportuno que alguma das pessoas que presenciaram a cena tivesse realizado sua prisão em flagrante. Mas isso é de fato possível? 

“De acordo com o artigo 301 do Código de Processo Penal, em situação de flagrante, qualquer pessoa pode prender o autor da infração penal”, diz o advogado, professor e especialista em Direito Penal Leonardo Pantaleão. “O Código de Processo Civil prevê que os cidadãos podem -- e a autoridade policial e seus agentes devem -- prender quem estiver cometendo um crime; portanto, qualquer cidadão pode realizar uma prisão em flagrante”, reitera o também advogado e especialista em Direito Penal Matheus Falivene, destacando que “um cidadão comum pode prender em flagrante até um policial ou qualquer outro agente público que esteja cometendo um crime em flagrante”. 

E como o cidadão deve proceder em um caso como este? Leonardo Pantaleão esclarece: “Deve anunciar que, a partir daquele momento, a pessoa que cometeu o delito deve ser considerada presa em flagrante pela prática de determinado crime e, em seguida, o acusado deve ser levado perante a autoridade policial, para que essa prisão seja ratificada pelo Delegado de Polícia”. Matheus Falivene oferece algumas considerações a mais. “Após dar a ‘voz de prisão’, o cidadão deve imediatamente acionar a Polícia ou conduzir o preso à Delegacia de Polícia, se possível. Além disso, ainda que a lei permita, por exemplo, o uso de força ou de algemas para prender uma pessoa, caso necessário, é importante frisar que o cidadão que dá voz de prisão não deve agredir, torturar ou matar a pessoa que é presa, salvo em situações de legítima defesa, sob pena de responder criminalmente por seus atos.” 

Aparentemente, a situação dá margem a equívocos, então é preciso precaver-se. “O cidadão deve, primeiro, ter certeza de que aquele indivíduo está cometendo um crime -- e conhecer, ainda que minimamente e de forma rudimentar, a legislação penal”, observa Falivene, acrescentando que, “além disso, deve ter em conta o bom senso e o respeito à legalidade, sempre com respeito e dignidade à pessoa que foi presa em flagrante.” 

O advogado Leonardo Pantaleão também observa que, “para evitar abusos ou equívocos, recomenda-se que o cidadão verifique alguns aspectos importantes, a saber: 1. se o agente está cometendo a infração penal naquele momento; 2. se acaba de cometê-la; 3. se é perseguido, logo após, em situação que faça presumir que ele é o autor da infração; d. se é encontrado, logo depois, com instrumentos, armas, objetos ou papéis que façam presumir ser ele autor da infração”. “Em situações assim, o cidadão comum está autorizado a efetuar a prisão em flagrante”, reitera o especialista. 

E se não for levado a sério? “Essa é a orientação: sempre acionar as forças públicas de segurança, para que façam cumprir a ordem de prisão”, diz Pantaleão. Matheus Falivene é também taxativo. “É importante que o cidadão acione imediatamente a polícia em caso de prisão em flagrante. Ainda que o Código de Processo Penal preveja a utilização moderada de força para deter o preso, o seu eventual emprego, especialmente em excesso, pode resultar em problemas criminais para aquele que realizou a prisão. Sendo assim, é sempre recomendável que se acione imediatamente a polícia para que os agentes públicos, devidamente preparados e equipados, conduzam a situação.”
 
Leonardo Pantaleão explica também que a possibilidade de cidadãos fazerem a prisão em flagrante “existe em diversos países, até por ser uma forma de a sociedade contribuir com as forças policiais para inibir a delinquência na sociedade”. “Em regra, os países democráticos possuem legislações que permitem a realização de prisões em flagrante por cidadãos comuns”, diz Falivene, observando que, “o Código de Processo Penal alemão, por exemplo, prevê a possibilidade de que o cidadão prenda quem se encontra em flagrante delito e, da mesma forma, nos EUA existem regras sobre o denominado ‘citizen’s arrest’, permitindo a prisão em flagrante pelo cidadão, mas variando de estado em estado quanto ao crime em que isso pode ocorrer”.

Matheus Falivene, advogado nas áreas de Direito Penal e Direito Penal Econômico. Doutor e mestre em Direito Penal pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo (USP). Especializado em Direito Penal Econômico pela Universidade de Coimbra/Portugal. Bacharel em Direito pela Pontifícia Universidade Católica (PUC) de Campinas. Professor na pós-graduação da PUC-Campinas.

Leonardo Pantaleão, advogado e professor, com mestrado em Direito das Relações Sociais pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC), Doutorado na Universidad Del Museo Social Argentino, em Buenos Aires e Pós-graduado em Direito Penal Econômico Internacional pelo Instituto de Direito Penal Econômico e Europeu (IDPEE) da Universidade de Coimbra, em Portugal, professor da Universidade Paulista. Autor de obras jurídicas, palestrante com ênfase em Direito Penal e Direito Processual.
Qualquer cidadão pode realizar uma prisão em flagrante
Leonardo Pantaleão
Leonardo Pantaleão
Leonardo Pantaleão
Qualquer cidadão pode realizar uma prisão em flagrante
Matheuis Falivene
Matheuis Falivene
Matheuis Falivene

Fonte: M2 Comunicação
ÚLTIMAS NOTÍCIAS


2001-2024 - Portal Cordero Virtual
CNPJ: 24.503.804/0001-71