Este site utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência, de acordo com as nossas Políticas de Privacidade e ao continuar navegando, você concorda com estas condições.

 O primeiro ano de funcionamento do município de Cordeirópolis - Portal Cordero Virtual

O primeiro ano de funcionamento do município de Cordeirópolis

01/06/2019 00:13:57
O Município de Cordeirópolis foi criado por uma lei assinada em 24 de dezembro de 1948 e publicada no dia 28. Mesmo com prazos apertados, era exigido que no dia 1º houvesse uma solenidade para declarar que o “Quadro Territorial Administrativo e Judiciário” estaria em vigor, isto é, a nova configuração de comarcas, municípios e distritos do Estado de São Paulo. 

No caso de Cordeirópolis, o jornal “O Estado de São Paulo” informava que no dia 1º “foi solenemente instalado o Município de Cordeirópolis. O ato foi presidido pelo prof. José Marciliano da Costa Júnior, prefeito municipal de Limeira, que falou na ocasião, congratulando-se com o povo pelo acontecimento. Também usaram da palavra diversos outros oradores. Abrilhantou as festividaes a corporação musical de Cascalho.”

De uma forma um pouco diferente, os registros do Livro Tombo da Paróquia de Santo Antonio, escritos pelo Padre Santo Armelin, indicavam que “o ano começou seguindo a rotina tradicional, com alvorada musical das 5 às 6h30, missa rezada às 7 horas e cantada às 10 horas. Neste mesmo dia, às 16 horas, realizou-se a cerimônia de instalação do Município, tendo presidido ao ato o Sr. Marciliano da Costa Júnior, prefeito de Limeira. O vigário esteve ausente (...)”
Os registros da Paróquia contam que “no dia 30 de janeiro e 3 de fevereiro foram lançadas oficialmente as candidaturas a prefeito para a eleição que iria ocorrer em março: Dr. Huberto Levy pelo PSP e Aristeu Marcicano pelo PSD”. Um fato interessante, recuperado unicamente pelos registros eclesiásticos, é a inauguração do chamado “Estádio Levy”, cujo pórtico foi inaugurado em 6 de março de 1949. Este local se encontra ainda no final da Rua 13 de Maio, só que está fechado há anos. 

Realizada a eleição, Aristeu Marcicano foi eleito com 590 votos, contra 415 do Dr. Huberto Levy. A Câmara ficou dividida em 7 vereadores do PSD, partido do prefeito eleito, 5 do PSP, como oposição e 1 do PTB. 

O Padre Santo Armelin, vigário da paróquia, esteve presente na instalação da Câmara Municipal e posse do prefeito e vereadores, conforme indicado em reportagem do jornal “O Estado de São Paulo” e das próprias notas da paróquia a seu cargo. Armelin chama o deputado Queiroz Telles de “Queirós Filho”, destacando-se a ausência dos vereadores da oposição, que só tomariam posse na primeira sessão do Legislativo, em 1º de abril. 

A imprensa regional destacou, como medidas importantes após a emancipação, a construção de uma escola no Bairro do Cascalho e a criação da Delegacia de Polícia local. 

No âmbito administrativo, foram sancionadas algumas leis de relevância: uma que isentava de impostos as casas de pessoas pobres da cidade, quando  servissem de moradia, cancelando-se a dívida ativa. No final de julho, foi mudado o nome da Rua Nova da Paz, para homenagear um dos deputados que encaminharam o pedido de emancipação da cidade, Castro de Carvalho. Atualmente, esta rua se chama Guilherme Krauter e o nome do deputado foi transferido para uma rua no Jardim Bela Vista.

Também foram definidos os feriados municipais, que vigoraram até 1966: 13 de junho, Sexta-Feira Santa, Ascensão do Senhor, Corpus Christi, 15 de agosto, Finados e 8 de dezembro. Como a prefeitura não tinha arrecadação própria suficiente para as despesas da nova administração, foi autorizada no fim de agosto a realização de um empréstimo junto ao Governo do Estado, com taxa de 6% ao ano, para cobrir despesas com a instalação e organização dos serviços administrativos, a ser pago em quatro parcelas. 

Curiosamente, a Festa de Santo Antonio naquele ano se realizou entre 10 e 28 de setembro, divulgada pelo SAFA – Serviço de Alto Falantes América, o único meio de comunicação da cidade na época. Também a banda “1º de Janeiro” desfilou pelas ruas como parte das comemorações. O feriado municipal de 13 de junho só começou a valer para o ano seguinte.  

Segundo os registros paroquiais, na quermesse funcionaram quatro barracas: bar, a cargo do prof. Antonio Osório, Jacy Ribeiro, a prof. Amália Moreira, Angela Gambaroto e Zuleide Saad; sorteio: Solideia Carandina, Isaura Vieira, Angelina Danesin e Rita Neves; alumínio: Prof. Bento Avelino Lordello e Cherubim Alves de Oliveira, então vereadores; tiro ao alvo: Prof. Sebastião Ribeiro. Animou a tômbola a sra. Ondina Mosca.

Voltando à área administrativa, somente no fim deste ano é que foram oficializados os primeiros cargos públicos municipais: Secretário-Contador, Tesoureiro-Lançador, Fiscal Geral, Jardineiro, Zelador dos Cemitérios e Zelador do Matadouro. Vale lembrar que o matadouro já existia desde a década de 1910 e o Largo da Matriz, atual Praça Comendador Jamil Abrahão Saad, desde pelo menos 1890. 

Naquele tempo, a cidade contava com aproximadamente 5.000 habitantes, espalhados pelas grandes fazendas existentes, e era composta somente do Centro e dos bairros Vila Pereira e Vila Barbosa. Sua indústria era baseada nas empresas de tecelagem e de papel e papelão. 

Havia somente o Grupo Escolar Coronel José Levy e outras escolas municipais de 1ª a 4ª séries. O primeiro posto de saúde só seria inaugurado nos anos seguintes. A estação ferroviária estava em funcionamento desde 1878 e como meio de acesso aos outros municípios havia a Rodovia Anhanguera, a estrada estadual para Rio Claro, que também passava por Cascalho (atualmente Rodovia Constante Peruchi), e a estrada para Limeira, atual Rodovia Dr. Cássio de Freitas Levy, ambas de terra. 

As ruas da cidade também não eram asfaltadas, mas havia iluminação pública e abastecimento de água e esgoto. A agência dos Correios já existia, mas nenhum banco. O Bairro do Cascalho existia há pouco mais de 60 anos. Este era a síntese do que existia em Cordeirópolis no início do Município autônomo.
 Revivendo História - Portal Cordero Virtual
Revivendo História
Por: Paulo César Tamiazo - Historiador - MTE nº 713/SP
Revivendo a Historia publica artigos periódicos sobre os mais variados temas da História de Cordeirópolis - https://orcid.org/0000-0003-2632-6546
Compartilhe:
MAIS ARTIGOS DESTE COLUNISTA

Outras Colunas:
Os conteúdos publicados por colunistas ou visitantes no Portal Cordero Virtual não expressam a opinião do Portal Cordero Virtual, sendo de responsabilidade de seus autores. Clique aqui e veja os Termos e Condições de Uso do Portal Cordero Virtual.

2001-2022 - Portal Cordero Virtual
CNPJ: 24.503.804/0001-71