A intervenção que não aconteceu - Portal Cordero Virtual

A intervenção que não aconteceu

02/06/2018 09:53:52
Não me apetece muito entrar em discussões sobre balburdia constitucional. Por bem, vivemos em um estado de direito e isso significa que a lei é quem dita as regras, certamente não como gostaríamos, mas isso não significa que devemos perder a fé.

Vibrei, vibrei e vibrei com o protesto feito pelos caminhoneiros. E não estou nem aí que o governo vai repassar a conta da redução do diesel, pois eu prefiro pagar um subsidio que irá diminuir os custos para esses trabalhadores do que pagar a conta de dólar na cueca, malas de dinheiro em apartamento, contas na suíça e assim por diante. Pago com gosto, cabe a nós brigarmos contra a política corrupta. 

Mas, tomando a greve como pano de fundo, uma faixa pedindo intervenção militar apareceu em um dos pontilhões de nossa cidade, e ela serviu para apenas uma coisa: Mostrar a confusão que se faz com intervenção.

Caros leitores, intervenção não é necessariamente golpe; e golpe não precisa ser necessariamente militar. (se conhece algum petista, pergunte à ele sua visão de golpe!).

A intervenção é uma requisição do governo para repelir invasão, para manter a integridade nacional, entre outras coisas; é prevista no art. 34 da Constituição Federal. O Rio de Janeiro sofreu uma intervenção e o fato de ela ter tido como interventor um oficial das forças armadas não significa que ela foi militar, significa apenas que foi uma intervenção para controlar a ordem daquele Estado.

A intervenção serve ao governo assim como as forças armadas  também, seguindo o que está estampado no art. 142 da Constituição Federal. E foi com base nessa premissa que o governo chamou as forças armadas para manter a ordem e estabilizar a paralização do caminhoneiros.

Então, se as pessoas queriam ver militares, de fato elas viram, só que não com o propósito que gostariam, pois se os militares fizessem o que as pessoas pediam, aí teríamos o que é conhecido como GOLPE.

Golpe é a tomada do governo a força, de forma não democrática, sem a participação direta do povo, e isso não podemos mais ter, nem pedir e nem aceitar. Precisamos aprender, deu uma vez por todas… a votar!

Que o exemplo dos caminhoneiros se multiplique e a população aprenda a canalizar toda essa indignação e energia na simples e mais eficaz arma da democracia, o voto. 

Não transfira sua responsabilidade aos militares, pois como disse acima, eles servem ao governo e um governo eleito de forma irresponsável usará essa força contra seu povo, a história já mostrou várias vezes - países vizinhos também.
 Politiconomia - Portal Cordero Virtual
Politiconomia
Por: Marcelo L. Braga
Espaço para trazer assuntos da economia e da política, ajudando na formação de opiniões e cidadania.
Compartilhe:
MAIS ARTIGOS DESTE COLUNISTA

Outras Colunas:
Os conteúdos publicados por colunistas ou visitantes no Portal Cordero Virtual não expressam a opinião do Portal Cordero Virtual, sendo de responsabilidade de seus autores. Clique aqui e veja os Termos e Condições de Uso do Portal Cordero Virtual.
Clique Aqui

2001-2020 - Portal Cordero Virtual
CNPJ: 24.503.804/0001-71